Adib Elias fala com a imprensa após decisão do TSE

10660323_969181669783506_7491322373465141588_n

O deputado estadual Adib Elias (PMDB) concedeu à imprensa uma coletiva nesta tarde (30/04), em seu escritório político localizado à Rua Procópio Ponciano, nº 157 – Centro.

Em tom de vitória diante dos constantes entraves políticos na Justiça, o parlamentar agradeceu aos amigos e companheiros que estiveram ao seu lado todo tempo em que lutou para, segundo ele, provar sua lisura como administrador público.

Adib pontuou que o resultado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que se posicionou em desfavor da cassação de seu mandato e inelegibilidade, em reunião ocorrida no dia 28 de abril, na sede do Tribunal da Democracia, em Brasília, foi o mais justo possível. “Portanto, eu vejo isso como mais uma atitude divina, uma participação preponderante de Deus que diz mais uma vez que a verdade nunca perde para a mentira. Por isso minha situação é de alguém que trabalha muito por esta cidade, por quem tem amor por essa cidade, por quem tem compromisso com ela”, observou.

O deputado fez questão de lembrar que todos os problemas que implicaram em dificultar sua vida política, começaram no registro de sua candidatura para legislador estadual. Foi citado por ele que o ministro Luiz Fux, do TSE, entendeu haverem contas de governo que poderiam ser julgadas, e que isso foi reforçado quando o então deputado estadual pelo PSDB, Gustavo Sebba, entrou com pedido de anulação de sua candidatura no Tribunal. “Como aqui (Catalão) existe uma administração caótica, eles querem desviar os olhares da população da administração deles. Falavam que era cassação do meu mandato e não era isso. Se eu tivesse perdido em Brasília, o processo iria voltar para Goiás porque não se tratava de improbidade administrativa que é roubo, e sim processo administrativo.” O peemedebista comentou ser muito difícil que não apareça nenhuma ação dessa natureza em qualquer gestão pública atualmente, e lembrou que quem tem o poder de julgar as contas de um prefeito é o poder Legislativo Municipal.

Adib criticou fortemente o governo de Catalão e pontuou falhas que considerou grotescas, como nas áreas da saúde e habitação, por exemplo, e destacou que na saúde precisou um promotor de Justiça tomar decisões que o Executivo não se empenhara em cuidar. Ele falou em seu discurso que a cidade não foi administrada com competência nos dois últimos anos, e que só o que foi feito pelo governo local até agora foi tentar tirá-lo da vida política.

Sobre ser ele o nome do PMDB a concorrer a eleição municipal seguinte, estando então apto para isso com as absolvições da Justiça, Adib, de maneira comedida, contou que o partido tem nomes importantes que podem representá-lo e que existem várias alternativas para a população escolher. “Sendo o meu, eu não vou correr do desafio”, acrescentou.

Com relação ao trabalho de Sebba à frente da prefeitura, o parlamentar ridicularizou sua atuação o chamando de prefeito de “corruptela”, e deu a atender também que ele é um administrador de interesses alheios tendo dito que sabe da possibilidade de a Superintendência de Água e Esgoto (SAE), “independente e patrimônio dos catalanos”, pontuou Adib, ser repassada para terceiros.

Adib também fez várias menções negativas sobre a atuação do Governo de Goiás, e ressaltou que por tanto coisa de ruim será ainda mais combativo como opositor na Assembleia Legislativa.

Por: Gustavo Vieira

Share Button

Puxando e carregando o saco…

Na última sessão da Câmara Municipal de Vereadores de Catalão, o tempo fechou entre os vereadores Gilmar Antônio (PMDB) e Regina Félix (PSDB). Ela o acusou de ser “puxa saco”, ele retrucou dizendo “que ela leva o saco”.

Confira abaixo:

Share Button

Pulando do barco…

A senadora petista, Marta Suplicy, definitivamente pulou do barco, na última terça-feira (28) se desfiliou do Partido dos Trabalhadores (PT) e saiu atirando, de acordo com ela o partido se desviou a muito tempo o caminho da ética. Ela deverá se filiar ao PSB e concorrer a prefeitura de São Paulo novamente.

Leia abaixo a íntegra da carta de desfiliação de Marta Suplicy:

“ILUSTRÍSSIMOS SENHORES PRESIDENTES NACIONAL, ESTADUAL E MUNICIPAL DE SÃO PAULO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES – PT

Pedido de desfiliação partidária

MARTA TERESA SUPLICY, brasileira, nascida em 18/03/1945, filha de Luiz Affonso Smith de Vasconcellos e Noêmia Smith de Vasconcellos, natural de São Paulo, portadora da cédula de identidade RG nº 2.978.995-3, inscrita no CPF nº 699.158.908-00, portadora do Título de Eleitor nº 865.308.401-41, inscrita na Zona Eleitoral nº 251, Secção 0115, vem, por meio desta, requerer a sua DESFILIAÇÃO PARTIDÁRIA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES – PT, pelos motivos e razões que passa a apresentar.

É de conhecimento público que o Partido dos Trabalhadores tem sido o protagonista de um dos maiores escândalos de corrupção que a nação brasileira já experimentou, sendo certo que mesmo após a condenação de altos dirigentes, sobrevieram novos episódios a envolver a sua direção nacional.

No meu sentir e na percepção de toda a nação, os princípios e o programa partidário do PT nunca foram tão renegados pela própria agremiação, de forma reiterada e persistente.

Para mim, como filiada e mandatária popular, os crimes que estão sendo investigados e que são diária e fartamente denunciados pela imprensa constituem não apenas motivo de indignação, mas consubstanciam um grande constrangimento.

Aqueles que, como eu, acreditaram nos propósitos éticos de sua carta de princípios, consolidados em seu programa e em suas resoluções partidárias, não têm como conviver com esta situação sem que esta atitude implique uma inaceitável conivência.

Ao tentar empenhar-me numa linha de providências, fui isolada e estigmatizada pela direção do partido. Percebi que o Partido dos Trabalhadores não possui mais abertura nem espaço para o diálogo com suas bases e seus filiados dando mostras reiteradas de que não está interessado, ou não tem condições, de resgatar o programa para o qual foi criado, nem tampouco recompor os princípios perdidos.

Hoje o PT se distanciou completamente dos fundamentos que há 35 anos nos levaram a construí-lo com entusiasmo e envolvimento.

Por décadas, acreditei e dei o melhor de mim na perseguição de ideais que, com seus acertos e erros, não se distanciavam de um norte ético indiscutível e intransigente.

Hoje, entretanto, não me sinto mais em condições de cooperar com o que não faz mais sentido a mim e a milhões de brasileiros.

A direção do Partido dos Trabalhadores vem restringindo, cerceando e limitando a atuação e desempenho de minhas atividades partidárias e, o que é mais grave, da minha atividade parlamentar oriunda da representação política de meu mandato.

Os fechamentos de espaços são muitos, com acontecimentos e constrangimentos públicos que envolvem situações e ações que, no passado recente, chegaram ao limite de colocar em risco minha eleição como Senadora pelo Estado de São Paulo nas eleições de 2010.

Vivencio o mais difícil e o pior momento de minha vida política. Como membro do PT, encontro-me em situação absolutamente constrangedora na bancada e no Plenário do Senado. Tenho me furtado a discursar e emitir minhas opiniões por me negar a defender um partido que não mais me representa, assim como a milhões de brasileiros que nele um dia acreditaram. Situação sem sentido que não tenho mais condições de deixar perdurar.

Serei fiel ao meu mandato e permanecerei depositária dos valores defendidos por aqueles que votaram em mim, hipotecaram sua confiança pessoal, e abraçaram as ideias que defendo desde a época em que me tornei pessoa pública em programa diário de TV onde sempre me pautei por princípios éticos inegociáveis.

Até onde pude, tentei reverter esta situação. Não fui ouvida. Não tenho compromisso com os reiterados desvios programáticos e toda sorte de erros cometidos.

Minha atuação como Senadora não pode ser isolada. Todo parlamentar precisa de um partido e o partido se expressa por meio de seus representantes eleitos.

Para quem é mandatária, como sou, eleita legitimamente por mais de 8 milhões de votos, resta-me a certeza de que minha prioridade é a fidelidade ao mandato que me foi outorgado pelo povo do Estado de São Paulo.

Como o exercício de meu mandato vem sendo claramente cerceado, em seu nome e em sua defesa, como representante popular, sinto-me na responsabilidade e no dever de agir neste sentido.

Diante do exposto, é a presente petição para REQUERER A MINHA DESFILIAÇÃO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES – PT, a partir desta data.

São Paulo, terça-feira, 28 de abril de 2015.

MARTA TERESA SUPLICY”

Share Button

Interessante!

Com mais de 200 feridos por balas de borrachas, espancamentos por parte da polícia, mordidas dadas por  cães pit bull da polícia militar, centenas de presos, o confronto entre professores, servidores públicos e policiais, ocorrido em Curitiba dias atrás,  se deu por causa da aprovação de um projeto de lei que autoriza o governador Beto Richa (PSDB) a usar o dinheiro do fundo de previdência dos trabalhadores.

images

A explicação é simples, existe uma crise e o estado precisa arrumar dinheiro para cobrir o rombo.

Uma pergunta se torna inevitável, quem deixou o rombo para Beto Richa?

Ele mesmo, pois foi reeleito governador do Estado do Paraná, ou seja ele fabricou a crise, afundou o Estado e agora quer que os trabalhadores paguem a conta, muito engraçado se o que está acontecendo não fosse um roubo legalizado ao dinheiro dos professores e dos servidores públicos de lá.

Eu só espero que a moda não chegue até Goiás, mas nem tudo que está ruim não pode piorar mais. Lembrem-se.

Share Button

A bomba povo, ninguém segura!

Mais uma vez foi provado,a bomba povo ninguém segura, quando quer faz a hora não espera acontecer

Share Button

Prefeitura pode doar lotes do município por meio de programa

images

A 14ª sessão da Câmara de vereadores, realizada no dia 28 de março, dentre momentos de tranquilidade e quase desordem, aprovou três importantes projetos de lei, sendo dois do Executivo e um da mesa diretora.

De autoria do prefeito Jardel Sebba (PSDB), a Casa aprovou por unanimidade os projetos Lote Legal e o que cria vagas de assessor de Gestão de Processamento de Dados para o Ipasc (Instituto de Previdência Assistencial dos Servidores de Catalão), além do da Câmara, que reajusta o salário para os analistas de informática.

Com relação ao programa Lote Legal, o poder público pretende com isso destinar às famílias com renda de até 3 salários mínimos lotes para a construção de moradias.

Para ter a chance de ganhar um terreno o interessado deve residir em Catalão por, no mínimo, 5 anos, comprovar baixa renda e ter se cadastrado junto à Secretaria Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários no Projeto Legal.

Se sancionado pelo prefeito, o projeto seguirá para a Habitação para ser aplicado.

Por: Gustavo Vieira 

Share Button

Metalúrgicos comemoram o Dia do Trabalhador nesta noite

1 de Maio

O Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão (SIMECAT) realiza nesta quinta-feira, às 19 horas, na nova sede, a comemoração do Dia do Trabalhador. Desta vez, não haverá a festa nos moldes dos anos anteriores devido aos gastos com a aquisição da sede própria do SIMECAT, porém, haverá premiação para os trabalhadores metalúrgicos.

 Cerca de 2.500 sócios concorrerão a 5 motos Titan Fan 125cc 0 km e também participarão da inauguração da sede própria do Sindicato. Neste ano, em junho, o SIMECAT completa onze anos de fundação e comemora orgulhosamente, juntamente com a data dedicada aos trabalhadores, a compra da sede própria. A nova casa do trabalhador fica na Rua Moisés Santana n° 99, bairro São João. A nova sede conta com 610mt² de terreno, com uma área construída de 250 mt².

Por Juliana Barbosa – Assessoria de Imprensa SIMECAT 

Share Button

Parecem bandidos?

 

Não!

São professores do Estado do Paraná, covardemente agredidos pelos policiais a mando do governador Beto Richa (PSDB).Captura-de-Tela-2015-04-29-às-21.00.27

Captura-de-Tela-2015-04-29-às-21.00.08

Share Button

Orgulho em ser professor!

Engraçado o secretário de segurança pública do Paraná, delegado e deputado federal Francisco Francisquini (PSDB) que costuma dar uma de “machão” fugiu dos professores manifestantes.

Share Button