Operação Carnê da Alegria: 5 são presos em investigação sobre fraude em licitação em Caldas Novas

Promotores explicaram à imprensa detalhes da investigação

Promotores explicaram à imprensa detalhes da investigação

Cinco pessoas presas e amplo material apreendido, incluindo CPUs, pen drives, documentos diversos, carnês de IPTU e R$ 32 mil em espécie. Esse é o balanço da Operação Carnê da Alegria, deflagrada nesta quinta-feira (10/8), pelo Ministério Público de Goiás com o objetivo de desarticular uma associação criminosa que atuava fraudando licitações da impressão do carnê de IPTU da Secretaria de Finanças da prefeitura de Caldas Novas (leia no Saiba Mais). Durante a ação, que contou com o apoio da Polícia Civil, um mandado de condução coercitiva acabou convertido em prisão temporária.

Em entrevista à imprensa, os promotores Cristhiano Menezes da Silva Caires e Pedro Eugenio Benatti, titulares da 2º e da 5ª Promotorias de Caldas Novas, esclareceram detalhes da investigação. Eles explicaram que a apuração do MP-GO teve início a partir do início do procedimento licitatório para impressão dos carnês. O que chamou a atenção, pontuaram, foi o fato de que, uns três meses antes da concorrência, houve um procedimento de dispensa de licitação para o serviço e, depois, foi aberta a licitação com o valor dez vezes superior ao que já tinha sido pago. Eles também salientaram que o próprio município contava com equipamento capaz de fazer a impressão dos carnês, sem necessidade de terceirizar.

Os promotores informaram que, nos próximos dias, vão começar a analisar o material apreendido, com o objetivo de concluir a investigação no menor prazo possível e oferecer a denúncia à Justiça. Eles observaram ainda que os fatos apurados podem ensejar também a responsabilização criminal quanto na área cível. Entre os crimes investigados estão peculato, falsificação de documentos e associação criminosa.

Para a operação em Caldas Novas, as promotorias locais tiveram o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, do Centro de Inteligência e do Gabinete de Segurança Institucional. Estiveram envolvidos na ação 7 promotores de Justiça, 4 delegados de polícia e 19 agentes, além de oficiais e servidores do MP.

(Texto: Ana Cristina Arruda e Fagner Pinho – Fotos: Fagner Pinho/Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

Share Button