3:58 pm

Frase do Dia…

Destacado

“Não aceitaremos calados que além de massacrarem o povo da ocupação Colonial, jogando-os nas ruas, ainda queiram prender aqueles que tentaram ajuda-los”.

Guilherme Boulos –  membro da coordenação nacional do MTST

Share Button

Nota do MTST sobre o Despejo de 700 famílias da ocupação colonial e a injusta prisão de Guilherme Boulos

mtst

No despertar da manhã de hoje, centenas de policiais do batalhão de choque da polícia militar de São Paulo cercaram o terreno onde mais de 700 famílias estão ocupadas a mais de um ano no Jd. Colonial, zona leste de São Paulo.

Cerca de 3 mil pessoas: homens, mulheres, crianças, idosos, deficientes que foram jogados na rua por uma decisão judicial que considerou apenas os interesses do proprietário de um latifúndio urbano que só servira antes das pessoas morarem ali para especulação imobiliária..

A todo o momento, o MTST procurou alternativas para evitar o despejo, evitando assim um massacre de pessoas pobres que nada mais estavam que lutando pelo direito constitucional da moradia.

Infelizmente, nossos esforços foram em vão e a PM de Alckmin levou a frente uma ação desumana contra as famílias da ocupação Colonial.

Sem respostas favoráveis do poder público e do judiciário, os moradores se viram sem alternativas e partiram para a resistência a ordem de despejo

Mesmo a ocupação Colonial não sendo uma ocupação do MTST, o companheiro Guilherme Boulos, membro da coordenação nacional do MTST, acompanhou o processo desde o início a convite dos representantes da ocupação Colonial, na tentativa de encontrar um desfecho favorável para as famílias da ocupação.
No entanto, a PM de Alckmin, de forma autoritária, resolver prender o companheiro Guilherme Boulos sob a acusação de desobediência civil e por participar e organizar manifestações contra as medidas de retirada de direitos do governo ilegítimo de Michel Temer.

A prisão do Guilherme Boulos, assim como o despejo das famílias da ocupação Colonial são uma demonstração do modus operandi político criminalizatório em voga contra os movimentos sociais, contra os pobres, contra os direitos sociais e os serviços públicos.
Um verdadeiro absurdo, uma vez que Guilherme Boulos esteve o tempo todo procurando uma mediação para o conflito.
Neste momento, o companheiro Guilherme continua detido no 49ª DP de São Mateus.

Não aceitaremos calados que além de massacrarem o povo da ocupação Colonial, jogando-os nas ruas, ainda queiram prender aqueles que tentaram ajuda-los.

Continuaremos acompanhando as famílias e lutando contra esse despejo injusto.

Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

Share Button

E o Carnaval de Três Ranchos…

Gente boa do Blog, a cidade de Três Ranchos está disputando em uma enquete no site do jornal O Popular, sobre qual o melhor carnaval de Goiás.

Até o momento de publicação da matéria, Três Ranchos estava na frente com 270 votos.

Quem quiser votar basta clicar aqui e votar.

Confira matéria abaixo:

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Share Button

Por Dentro dos Fatos…

por-dentro-dos-fatos

Confira o comentário do professor Mamede sobre o uso de medicamentos a base de maconha.

Vale a pena ressaltar que o diferencial é que é em uma linguagem bem simples e atual, abordando questões políticas e do dia a dia com sua visão dos fatos, sem rodeios, sem jabás e claro, de forma limpa, transparente e independente.

Confira outros comentários no link https://soundcloud.com/0jils4kylqe8.

Share Button

Rui Falcão: Chegou a hora de a militância opinar sobre Lula presidente

Em artigo semanal na Agência PT de Notícias, presidente do partido defende que militância opine para, quem sabe, durante o 6º Congresso, torná-lo nosso candidato

Na semana passada, estive com o presidente Lula em dois eventos de grande relevância política. Em Salvador, participamos, a convite da direção do MST, do 29º Encontro Estadual do movimento, com a presença de líderes locais, parlamentares e do ex-governador Jacques Wagner, que sempre esteve nos encontros do MST da Bahia.

Com muito entusiasmo, centenas de delegados e delegadas, em coro com o coordenador nacional do MST, João Pedro Stedile, ecoavam palavras de ordem “Brasil Urgente, Lula Presidente”, numa espécie de antecipação das eleições, que o movimento e todos nós lutamos para antecipar.

Dirigindo-se aos jornalistas que noticiaram o lançamento de Lula no 29º Encontro, Stedile afirmou que não havia necessidade disso, visto que Lula “é o candidato permanente do povo brasileiro”.

No dia seguinte, em Brasília, durante congresso da CNTE, mais de dois mil delegados e delegadas, de todos os Estados (inclusive delegações internacionais de todos os continentes) gritavam “volta Lula”, reeditando o clima de animação, expectativa e esperança com o retorno de Lula ao comando do País.

Tanto quanto em outras ocasiões que tenho presenciado, Lula ainda não admite ser candidato, mas reitera, com muita convicção, que está preparado e sabe exatamente o que é preciso fazer para tirar o Brasil da crise, criar empregos, distribuir renda, reacender o ânimo e a confiança da população.

Até o momento, tenho reafirmado à mídia que o Lula ainda não foi lançado oficialmente pelo PT, mas que não cogitamos de “plano B”. Também sentimos que sua candidatura é uma aspiração nacional. Porém, acho que chegou a hora de a militância começar a opinar publicamente. Quem sabe, assim, possamos, durante o  6º Congresso, torná-lo nosso candidato. E, a partir daí,  construir uma forte aliança com movimentos sociais e partidos populares, em torno de um programa de reformas e transformações estruturais.

Rui Falcão é presidente nacional do PT

Publicado originalmente no site do PT.

Share Button

Informação técnica sugere continuidade de conselheiros de Educação após eleições municipais

Informação técnica foi encaminhada aos promotores com atuação na Educação

O Centro de Apoio Operacional da Educação encaminhou nesta segunda-feira (16/1) a todos os promotores de Justiça com atribuição na área aInformação Técnico-Jurídica n° 1/2017 , que trata do posicionamento do órgão sobre a continuidade de membros dos Conselhos de Educação municipais após as transferências entres gestões do Poder Executivo, ocasionadas pelas eleições de 2016.

No documento, são abordadas as variáveis em torno da matéria, com destaque para o fato de que os conselhos municipais de controle social precisam ser ajustados de acordo com os respectivos diplomas legais de criação, sob participação eletiva direta de todos os segmentos sociais que os integram. Desse modo, o entendimento é de que a mudança na gestão política não pode ocasionar interferência direta na composição ou nas atividades do Conselho Municipal de Educação, devendo ser garantida a estabilidade de seus membros até que os mandatos se encerrem sob ciclo próprio.

Conforme destacado no documento, “os membros, apesar de serem nomeados por ato do chefe do Poder Executivo, não provêm de mera indicação política em regra, mas de processos eletivos diretos previstos em lei. Trata-se, assim, de postura legal em favor da democratização da gestão do ensino público, através do controle social previsto na própria Constituição da República”.

Por fim, é sugerido aos promotores de Justiça que seja garantida a continuidade dos mandatos dos membros dos respectivos Conselhos Municipais de Educação, mesmo através de expedição de recomendação aos entes municipais, caso se faça necessário, nos termos da Constituição Federal, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, das respectivas leis complementares que instituem os conselhos locais, além da contemplação dos regimentos internos dos conselhos.

(Texto: Cristina Rosa / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO – foto: Banco de Imagem)

Share Button

LULA EM 2018: PT DEVE DECIDIR SOBRE CANDIDATURA NESTA SEMANA

O PT faz nesta semana duas reuniões estratégicas com a participação do ex-presidente Lula.  No foco dos encontros está o debate sobre a candidatura de Lula às eleições presidenciais de 2018 e também a possibilidade de o petista substituir Rui Falcão na direção do partido. As decisões são preparatórias e seriam chanceladas durante o 6º Congresso da legenda marcado para abril.

As informações são de reportagem de Carmen Munari no Valor.

“Após anos optando por eleições diretas, em que os filiados escolhem suas dirigentes, o PT deve alterar a regra para uma eleição indireta em que delegados indicarão a direção. Falcão, que ocupa a presidência há seis anos, renunciaria ao cargo para Lula assumir em mandato de dois anos. O cargo é estratégico uma vez que teria a responsabilidade encaminhar as eleições gerais de 2018.

Os temas serão debatidos pela Executiva na quinta-feira, antecedendo o encontro do Diretório Nacional, composto por 84 integrantes, na sexta-feira, no hotel Jaraguá, em São Paulo. O congresso tem encontro marcado para 7 a 9 de abril com a participação de 600 delegados.

Rui Falcão publicou ontem no site do PT um artigo em que defende a participação da militância petista para a nova candidatura de Lula à Presidência, citando que não há “plano B”. “Até o momento, tenho reafirmado à mídia que o Lula ainda não foi lançado oficialmente pelo PT, mas que não cogitamos de ‘plano B’. Também sentimos que sua candidatura é uma aspiração nacional”, diz Falcão. “Porém, acho que chegou a hora de a militância começar a opinar publicamente. Quem sabe, assim, possamos, durante o 6º Congresso, torná-lo nosso candidato”, afirma o dirigente.”

Brasil 247

Share Button

Será que enchem?

 

reservatorio-3

reservatorio-2 reservatorios

Share Button

Deputados estão chegando à Brasília para discutir eleição na Câmara

Agência Câmara

A eleição para a sucessão de Rodrigo Maia na Presidência da Câmara está marcada para o dia 2 de fevereiro.  A eleição para a sucessão de Rodrigo Maia na Presidência da Câmara está marcada para o dia 2 de fevereiro.

A cúpula do PSD também vai se reunir nesta terça-feira (17), para debater a viabilidade da candidatura do deputado Rogério Rosso (PSD-DF). O ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, que é do partido de Rosso, já costura nos bastidores o apoio à reeleição do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A bancada do PT também tem reunião marcada para esta terça. O partido está dividido, mas não descarta apoiar nomes que fazem parte da base aliada do presidente Michel Temer e que trabalharam pelo impeachment de Dilma Rousseff, como Maia ou o líder do PTB, Jovair Arantes (GO). O principal objetivo dos petistas é conseguir assegurar uma posição na Mesa Diretora, para não ficarem de fora das decisões importantes da Casa neste último biênio.

Outras candidaturas e apoios

O deputado André Figueiredo (PDT-CE) já começou as conversas nesta segunda-feira (16) com os correligionários para traçar estratégias para a sua campanha, mas, por enquanto, não conseguiu conquistar sequer o apoio dos partidos de oposição, como PT e PCdoB.

O PSB também já começou as discussões nesta segunda-feira (16). A tendência na bancada é apoiar a reeleição de Maia, apesar de nomes do partido, como o deputado Júlio Delgado (MG), não descartarem lançar uma candidatura avulsa.

Outros partidos maiores, como o PMDB, PSDB, PP e PR já definiram internamente ou caminham para declarar apoio a Maia, mas devem deixar para reunir as bancadas somente nas próximas semanas.

Portal Vermelho

Share Button

TEMER DIZ QUE SUA CASSAÇÃO PODE TRAZER INSTABILIDADE

temer

O presidente Michel Temer admitiu nesta segunda-feira preocupação com a instabilidade que uma eventual nova mudança de governo poderia trazer ao país caso o Tribunal Superior Eleitoral decida pela cassação do seu mandato.

Questionado se o país teria condições de passar por uma nova troca de presidente, Temer foi cauteloso ao responder, ressalvando que uma manifestação poderia parecer que estaria falando em causa própria, mas reconheceu que a decisão traria impacto para o país.

“A pergunta já induz a uma preocupação. Imagine, uma nova eleição, um novo presidente em um mandato de quatro anos”, disse. “Realmente há uma preocupação… com a qual eu concordo”, disse o presidente em entrevista à Reuters no Palácio do Planalto.

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), um dos processos movidos pelo PSDB no TSE contra a chapa Dilma-Temer, pode resultar na cassação da chapa, o que afetaria o atual presidente, que assumiu o cargo após o impeachment da petista em agosto.

O presidente ressalvou, no entanto, que “há muito pela frente”, já que mesmo que haja uma decisão por parte do TSE, podem ser impetrados vários recursos. Lembrou, ainda, que não está descartada a possibilidade de que as contas das campanhas para Presidência e para vice-presidência sejam separadas.

Uma das linhas de defesa de Temer é a que a tesouraria das duas campanhas seria separada, apesar de já ter sido comprovado que a campanha de Dilma pagou despesas e salários de auxiliares do peemedebista.

Temer expressou, ainda, a expectativa de que a ação seja simplesmente arquivada. “Não é improvável que em um dado momento o tribunal decida julgar improcedente a ação”, disse.

Na eventualidade de Temer perder o mandato em uma decisão da Justiça eleitoral este ano, uma eleição indireta será convocada e realizada pelo Congresso Nacional.

PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

A poucos dias da eleição da Câmara, em que três nomes da base governista estão na disputa –o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), e o líder do PTB, Jovair Arantes (GO)–, o presidente tenta se manter pessoalmente distante da disputa, apesar de auxiliares próximos admitirem que ministros têm se envolvido na defesa da candidatura de Maia.

Questionado se a disputa poderia rachar a base em um ano em que o governo precisa aprovar duras medidas, como a reforma da Previdência, Temer nega o risco.

“Não vai rachar a base por uma razão singela: nós não temos tomado posição. Como a base é muito ampla, a disputa principal se dá dentro da base governista. Nós não temos tomado posição”, disse.

Até mesmo mudanças na equipe ministerial têm aguardado a solução da disputa na Câmara. A Secretaria de Governo, vaga desde a saída de Geddel Vieira Lima, só terá uma nomeação depois da eleição. Temer confirma a indicação do deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), mas não que o tucano será nomeado.

“É um nome indicado. Estou deixando isso para depois das eleições. Eu quero ver qual o panorama que se desenha na Câmara. É um nome indicado, não há dúvida”, afirmou. “Se nomeasse alguém nesse momento iria parecer que a Presidência está trabalhando com o candidato A ou B. Então estou deixando.”

Nos bastidores, o governo trabalha pela candidatura de Maia, mesmo que o democrata, em tese, não pudesse concorrer a uma reeleição dentro da mesma Legislatura. No entanto, armado de pareceres jurídicos afirmando que a legislação não se refere a mandatos-tampão, Maia, e o Planalto, apostam nos sinais de que o Supremo Tribunal Federal não planeja interferir em assuntos internos da Câmara.

De acordo com uma fonte, o Planalto conseguiu convencer o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab, do PSD, a pressionar Rosso a desistir da candidatura. O deputado não retirou, mas nesta segunda-feira divulgou uma nota “liberando a bancada” para votar em quem quisesse.

Brasil 247

Share Button