E o problema da água em Catalão?

Gente boa do Blog, o problema da falta de água em Catalão continua e a cada dia uma pergunta não quer mesmo calar:

É falta de gestão mesmo, ou agora está existindo o problema por birra e picuinha da atual gestão que insiste em métodos antigos para se resolver o impasse, valendo lembrar que o ex-prefeito Jardel Sebba pagou caro pela falta de água, mas deixou uma represa que teoricamente resolveria o problema.

Pois bem, como o atual gestor da SAE, Fernando Ulhoa afirma que a solução será através de poços artesianos o vereador de oposição Souza Filho  parabeniza o ex-superintende César Ferreira…

souza-sae

Share Button

Daniel Vilela destina R$ 1,5 milhão para curso de Agronomia da UFG Jataí

Daniel Vilela participa do lançamento de prédio do curso de Agronomia da UFG de Jataí

Ao lado do reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Orlando Amaral, e do reitor eleito Edward Madureira, o deputado federal Daniel Vilela (PMDB) participou hoje (14) da assinatura da ordem de serviço do novo prédio de gabinetes da Unidade de Ciências Agrárias do campus de Jataí da UFG. Os recursos para a obra, orçada em R$ 1,5 milhão, foram articulados pelo deputado via Ministério da Educação. O prédio vai atender o curso de Agronomia.

Durante a solenidade, o reitor Orlando Amaral destacou que Daniel Vilela tem sido um grande parceiro da universidade e que o trabalho dele em Brasília tem ajudado a estruturar diversos projetos da instituição. O parlamentar também é o principal articulador do projeto de tornar os câmpus da UFG de Jataí e Catalão em universidades autônomas.

Daniel Vilela afirmou que sua parceria com a universidade é o reconhecimento da importância dela para Goiás e da qualidade dos projetos apresentados pela instituição. “Lembro sempre de uma frase do ex-prefeito Humberto Machado, que falava que a principal indústria de Jataí é a UFG, pelo papel que ela tem na geração de conhecimento e no desenvolvimento socioeconômico da região. Meu gabinete está sempre à disposição para contribuir com a educação”, afirmou.


O deputado também tem trabalhado junto ao governo federal para viabilizar a construção de um centro esportivo na unidade de Jataí e reforma e aquisição de equipamentos para o centro esportivo no Campus Samambaia, em Goiânia, além da construção do Restaurante Universitário da UFG de Aparecida de Goiânia e aquisição de equipamentos para a Santa Casa de Catalão. Estas últimas, por meio de emenda parlamentar.


O chefe da Unidade de Ciências Agrárias, Américo Nunes da Silveira Neto, agradeceu o empenho de Daniel Vilela para que o recurso fosse disponibilizado. “O futuro não é obra do acaso, mas sim fruto de boas escolhas. Torcemos muito por você, Daniel, pois temos em você um grande parceiro da nossa universidade”, afirmou.

Também participaram da solenidade a vice-reitora, Sandramara Chaves, o ex-prefeito de Jataí Humberto Machado, representantes do Centro Acadêmico de Agronomia e alunos do curso.

Novas universidades
Durante a solenidade, o reitor eleito Edward Madureira disse que a criação das universidades federais de Catalão e Jataí, por desmembramento das unidades nos municípios, é uma questão de pouco tempo e que o tamanho e demanda das duas unidades justifica a medida. “A criação da Universidade Federal de Jataí, bem como a de Catalão, está na hora de se tornar realidade e tenho certeza que este ano veremos isto acontecer”, afirmou.

Edward reiterou o compromisso da UFG de, na condição de entidade tutora do processo de instalação das novas universidades, oferecer todo o respaldo para garantir a manutenção da qualidade dos cursos. “Estaremos juntos na consolidação desse projeto”, destacou.

Por solicitação de Daniel Vilela, foi aprovado em julho pedido de urgência na Câmara para que os projetos de lei fossem colocados na pauta do plenário, onde já se encontram. Aprovados, eles seguem para votação no Senado e em seguida para sanção presidencial.

 

ASCOM – Daniel Vilela

Share Button

Alô Ouvidor a hora está chegando?

Gente boa do Blog, em Ouvidor aparentemente a impressão que se tem é que a disputa eleitoral por lá caminha para acontecer mesmo entre o pré-candidato pelo PSDB, ex-prefeito João César e o empresário Júlio da Sama.

Sendo João César pela oposição e Júlio representando a situação.

As dúvidas que ainda persistem dizem respeito ao fato de que especulava -se que o prefeito cassado Onofre Galdino (PMDB) iria lançar a esposa, professor Vívian como sua candidata, mas pelo andar da carruagem parece que não acontecerá.

gif-joao-julio

Share Button

Acionados pelo MP, prefeita e dois secretários de Ipameri são condenados por improbidade

Uniforme escolar inseriu promoção pessoal de gestora

Uniforme escolar inseriu promoção pessoal de gestora

Em ação movida pela promotora de Justiça Simone Sócrates de Bastos, a juíza Maria Antônia de Faria condenou a prefeita de Ipameri, Daniela Vaz Carneiro, e os secretários de Gestão Administrativa, Finanças e Planejamento e de Educação, Jânio Antônio Carneiro e Ana Lúcia Simão, por atos de improbidade administrativa.

As penalidades aplicadas ao caso foram o pagamento de multa civil no valor de R$ 4.774,00, suspensão dos direitos políticos por cinco anos e a proibição de contratar com o poder público por cinco anos, bem como ao ressarcimento do dano causado aos cofres públicos. A decisão confirma também a liminar que proíbe o município de confeccionar e exigir o uso de camisetas, uniformes ou qualquer tipo de vestimenta, por servidores e estagiários, para promoção pessoal da prefeita.

O caso
Em 2015, o MP verificou que a prefeitura de Ipameri gastou, com verbas exclusivamente públicas, R$ 4.774,00 na confecção de camisetas com o símbolo da administração e menção do período de gestão. Conforme apurado pela promotora, Jânio Carneiro solicitou à prefeita a compra de material pedagógico e uniforme para atender às necessidades do município. Assim, após as formalidades, foram confeccionadas 1.100 camisetas com o símbolo da administração e período de gestão, material que foi encaminhado à Secretaria de Educação. As camisetas, então, foram entregues aos alunos da creche do Distrito de Domiciano Ribeiro, passando a ser usadas diariamente como uniformes.

Simone Sócrates destacou ainda que o termo de referência do edital para confecção dos uniformes, em nenhum momento apontou que neles deveriam constar o símbolo e período da gestão, mas somente o nome da creche. Isso demonstrou que somente na fase de confecção de confecção é que foi dada a ordem para inserção desses dados, com nítido destaque para a promoção da prefeita, o que contraria o princípio de impessoalidade estabelecido pela Constituição Federal.

 (Cristiani Honório / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO – Foto/ arquivo da Promotoria de Justiça de Ipameri)

Share Button

Curso de medicina vem aí…

thiago jabur

Gente boa do Blog, durante a sessão da Câmara de Vereadores no dia de ontem, o diretor da Universidade Federal de Goiás (UFG) de Catalão, Thiago Jabur, esteve presente e esclareceu pontos sobre a federalização, a respeito do curso de medicina e sobre a casa dos estudantes  universitários.

Perguntado a respeito pelo vereador Rodrigão (SDD), Thiago Jabur afirmou que em relação ao curso de medicina, já está aprovado tecnicamente pelo MEC e espera nos próximos dias resolver algumas questões para começar o curso.

Já em relação a federalização, Universidade Federal de Catalão, o projeto de lei já está no plenário da Câmara dos Deputados e existem duas medidas hoje provisórias aprovadas no plenário que estão empatando essa pauta, o deputado estadual Daniel Vilela (PMDB) colocou o assunto para o presidente Michel Temer e também para o deputado Rodrigo Maia, para fazer já com urgência o projeto de lei, tendo isso vai para o Senado e depois para sanção presidencial, disse ele.

Assim, podemos concluir que o curso de medicina virá antes da federalização. Finalizou.

Share Button

“Processos não vão me calar”, afirma vereador Marcelo Mendonça

Gente boa do Blog, que o prefeito Adib Elias (PMDB) é perseguidor não restam dúvidas, que gosta de ser chefe supremo e é metido a coronel também da mesma forma, porém o que precisa ficar claro é que o que está em discussão é o fato do professor Marcelo vereador pela REDE ter recebido salários em duplicidade contrariando a lei, simples assim.

E outro fato, meses atrás o vereador estava sentado com o secretário de administração, Nelson Faiad e outras lideranças do PMDB negociando um acordo para fazer parte da administração do prefeito Adib, algo na conversa não prosperou e daí pra frente o vereador começou a abrir a espingarda contra a administração e a mesma abriu o fuzil contra o vereador e pelo jeito a munição de fuzil é mais potente do que a da espingarda, de novo, simples assim.

Outro fato,  o vereador em questão já teve que devolver dinheiro para os cofres públicos em outro processo movido pelo Ministério Público, pelo andar da carruagem gosta mesmo de um dinheirinho a  mais e nesse caso a administração de Adib está correta os cofres públicos precisam serem ressarcidos, outro fato se não fosse a Prefeitura outros denunciariam ao MP.

Recebeu ou não recebeu em duplicidade vereador?

Share Button

Dilma: privatização da Eletrobrás vai causar aumento de tarifas e apagões

O governo tem dois motivos para privatizar a Eletrobras: a aplicação da pauta neoliberal e o desespero para fazer caixa, disse Dilma - Créditos: Creative Commons
O governo tem dois motivos para privatizar a Eletrobras: a aplicação da pauta neoliberal e o desespero para fazer caixa, disse Dilma / Creative Commons
A privatização da Eletrobras, um dos mais novos retrocessos anunciados pela agenda golpista, será um crime contra a soberania nacional, contra a segurança energética do país e contra o povo brasileiro, que terá uma conta de luz mais alta. Um delito dos mais graves, que deveria ser tratado como uma traição aos interesses da Nação.

Maior empresa de produção e distribuição de energia elétrica da América Latina, a Eletrobras garante o acesso à energia a um país de dimensões continentais, com uma população de mais de 200 milhões de habitantes e com uma economia diversificada, que está entre as mais complexas do mundo.

A sua privatização, e provável entrega a grupos estrangeiros, acabará com a segurança energética do Brasil. Submeterá o país a aumentos constantes e abusivos de tarifas, à desestruturação do fornecimento de energia, a riscos na distribuição e, inevitavelmente, à ameaça permanente de apagões e blecautes. Devemos todos lembrar do ano de racionamento de energia no governo FHC.

O governo tem dois motivos principais para privatizar uma grande empresa como a Eletrobras: a aplicação da pauta neoliberal, rejeitada por quatro vezes nas urnas, e que é compromisso do golpe implantar; e o desespero para fazer caixa e tentar diminuir o impacto de um dos maiores rombos fiscais da nossa história contemporânea, produzido por um governo que prometia resolver o déficit por meio de um surto de confiança que não veio e um passe de mágica que não produziu. Produziu, sim, a compra de votos por meio da distribuição de benesses e emendas.

O meu governo anunciou déficit de R$ 124 bi para 2016 e de R$ 58 bilhões para 2017, que seriam cobertos com redução de desonerações, a recriação da CPMF e corte de gastos não prioritários. O governo que assumiu por meio de um golpe parlamentar inflou a previsão de déficit para R$ 170 bi, em 2016 e R$ 139 bi, em 2017. Inventou uma folga para mostrar serviço à opinião pública, e nem isto conseguiu fazer. Agora, quer ampliar o rombo para R$ 159 bi. Mas não vai ficar nisso. Aumentará o déficit, no Congresso, para R$ 170 bi, para atender às emendas dos parlamentares de que precisa para aprovar sua pauta regressiva. Para isto, precisa dilapidar o estado e a soberania nacional. E forjar uma suposta necessidade de vender a Eletrobras é parte desta pauta.

Atribuir uma suposta necessidade de privatização da Eletrobras ao meu governo, por ter promovido uma redução das tarifas de energia, é um embuste dos usurpadores, que a a imprensa golpista difunde por pura má-fé. É a retórica mentirosa do golpismo.

As tarifas de energia deveriam mesmo ter sido reduzidas, como foram durante o meu governo,. Não porque nós entendêssemos que isto era bom para o povo – o que já seria um motivo razoável – mas porque se tratava de uma questão que estava e está prevista em todos os contratos que são firmados para a construção de hidroelétricas. Depois da população pagar por 30 anos o investimento realizado para construir as usinas, por meio de suas contas de luz, é uma questão não apenas de contrato, mas de justiça e de honestidade diminuir as tarifas, cobrando só por sua operação e manutenção. Manter as tarifas no mesmo nível em que estavam seria um roubo. Por isso reduzimos e temos orgulho de tê-lo feito. Com a privatização, será ainda um roubo.

Vou repetir a explicação, porque a Globo faz de tudo para distorcer os fatos e mentir sobre eles. Quando uma hidrelétrica é construída por uma empresa de energia – pública ou privada – quem paga pela sua construção é o consumidor. A amortização do custo da obra leva geralmente 30 anos e, durante este tempo, quem paga a conta deste gasto vultoso é o usuário da energia elétrica, por meio de suas contas de luz.

Quando a hidrelétrica está pronta, o único custo da empresa de energia passa a ser a operação e a manutenção. Daí, é justo que o povo deixe de continuar pagando por uma obra que já foi feita e, depois de 30 anos, devidamente paga. É mais do que justificado, portanto, que as tarifas que custearam a construção sejam reduzidas.

Se as empresas de energia – públicas ou privadas – mantiverem as tarifas no mesmo nível, e eventualmente até impuserem aumentos nas contas de luz, estarão tirando com mão de gato um dinheiro que não é delas. É uma forma de estelionato. Não se deve esperar que empresas unicamente privadas, cujo objetivo é principalmente a lucratividade de sua atuação, entendam que uma equação justa deveria impor modicidade tarifária quando os custos altos da construção de uma usina hidrelétrica já não existem mais.

Apenas o Estado – um estado democrático e socialmente justo – tem condições de entender esta situação e autoridade para agir em defesa dos interesses dos consumidores.

Entregar a Eletrobras e suas usinas já amortizadas para algum grupo privado, talvez estrangeiro, significa fazer o consumidor de energia pagar uma segunda vez pelo que já pagou, além de abrir mão de qualquer conceito estratégico em relação à produção, distribuição e fornecimento de energia com segurança e sem interrupções e apagões.

Privatizar a Eletrobras é um erro estratégico. Erro tão grave quanto está sendo a privatização de segmentos da Petrobras. No passado, essas privatizações já foram tentadas pelos mesmos integrantes do PSDB que hoje dividem o poder com os golpistas. Naquela época, isso só não ocorreu porque os seus trabalhadores e o povo brasileiro não permitiram. Mais uma vez devemos lutar para não permitir.

Edição: Brasil de Fato

Share Button

LAVA JATO ATINGE FILHO DE MINISTRO DO TCU

ABR

O advogado Tiago Cedraz – filho do ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU) – é um dos alvos de busca da 45ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã quarta-feira (23) em Salvador, Brasília e Cotia (SP).

Informações da rede Globo dão conta de que há uma intimação para que Tiago Cedraz compareça imediatamente à superintendência regional da Polícia Federal, em Brasília, para prestar depoimento.

A ação cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e é um desdobramento da 44ª etapa, que prendeu o ex-deputado federal ex-petista Cândido Vaccarezza, e foi batizada de Abate II.

Segundo a PF, a atual fase investiga dois advogados que participaram de reuniões nas quais o esquema criminoso, com o pagamento de propinas a agentes da Petrobras, teria sido planejado. Eles teriam recebido comissões pela contratação de uma empresa americana pela estatal, mediante pagamentos em contas mantidas na Suíça em nome de off-shore, segundo as investigações.

As informações são de reportagem de Adriana Justi, Camila Bonfim e José Vianna no G1.

Leia, abaixo, reportagem da Reuters:

(Reuters) – A Polícia Federal foi às ruas nesta quarta-feira para cumprir mandados de busca e apreensão em Brasília, São Paulo e Bahia como parte das investigações de esquema criminoso na Petrobras envolvendo a empresa norte-americana Sargeant Marine e o ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, em um avanço de operação deflagrada na semana passada.

Segundo a PF, novos elementos colhidos na investigação policial apontaram a participação de dois advogados em reuniões nas quais o esquema criminoso, com o pagamento de propinas a agentes da Petrobras, teria sido planejado, além do pagamento de comissão a esses advogados pela contratação da empresa norte-americana.

A PF prendeu na semana passada Vaccarezza, ex-deputado pelo PT que foi líder dos governos Lula e Dilma na Câmara, acusado de receber cerca de 500 mil dólares em propina por intermediar contratação pela Petrobras da empresa norte-americana Sargeant Marine para fornecimento de asfalto.

O ex-deputado, no entanto, foi solto na noite de terça-feira.

Brasil 247

Share Button