Frase do Dia…

Destacado

“Qual é a moral que tem os senadores aqui para dizer que ela é culpada, para cassar? Quero saber. Qual é a moral que vocês têm?”.

Senadora Gleisi Hoffmann (PT).

Share Button

Jardel Sebba (PSDB) se pronuncia sobre resultado da Pesquisa Serpes em Catalão divulgada pelo jornal O Popular

jardel

O prefeito de Catalão e candidato à reeleição, Jardel Sebba (PSDB), afirma que recebe com tranquilidade o resultado da Pesquisa Serpes publicada pelo jornal O Popular desta sexta-feira. “Pesquisas de outros institutos mostram uma realidade muito diferente. Respeito muito o instituto Serpes, mas nas outras duas eleições em Catalão o instituto errou feio. Em 2012, ele apontava vitória do nosso adversário, e as urnas mostraram outro resultado.”

Jardel diz que segue sua campanha com alegria e confiança.

Assessoria de Comunicação

Share Button

O Popular divulga pesquisa SERPES para intenção de votos em Catalão…

Gente boa do Blog, o Jornal O Popular divulgou no dia de hoje, a pesquisa de intensão de voto em Catalão para prefeito. A pesquisa foi realizada pela empresa Serpes.

Foi entrevistado 401 eleitores durante os dias 21 a 24 de agosto, onde a margem de erro é de 4,88 pontos para mais ou para menos.

Na estimulada com cartela, Adib Elias (PMDB) lidera com 58,1% dos votos, seguido por Jardel Sebba (PSDB) com 14,2% dos votos e Camila Campos (PSOL) com 9,5% dos votos. 9,5% anularia o voto e 14,5% não decidiu ainda em quem votar.

Já na espontânea, Adib Elias segue na frente com 38,7% dos votos, seguido por Jardel Sebba com 11,2% dos votos e Camila Campos com 1,2%. 10,2% anularia o voto e não sabe responder 38,7%.

Em relação a rejeição, Jardel Sebba lidera com 53,9%, seguido por Camila Campos com 21,7%, Adib Elias (PMDB) com 16,2%. Não rejeitaria ninguém 24,9% e não decidiu 3,5%.

Confira abaixo pesquisa divulgada pelo jornal O Popular:

serpes-catalao

serpes1-catalao

Share Button

Eleições 2016: começa nesta sexta (26) a propaganda eleitoral no rádio e na TV

propaganda

Começa nesta sexta-feira (26) a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão destinada aos candidatos a prefeito e vereador nas eleições de outubro. Este ano, em razão das alterações introduzidas pela Lei 13.165/2015 (Reforma Eleitoral), a propaganda será mais curta. O período foi reduzido de 45 para 35 dias, terminando no dia 29 de setembro. Também não haverá mais propaganda em bloco para os candidatos aos cargos de vereador, que terão direito somente a inserções de 30 ou 60 segundos. A propaganda eleitoral no rádio e na TV restringe-se ao horário gratuito, sendo proibida a veiculação de qualquer propaganda paga.

A propaganda deverá ser veiculada inclusive nas rádios comunitárias, nas emissoras de televisão que operam em VHF e UHF e nos canais de TV por assinatura de responsabilidade das câmaras municipais. O conteúdo da propaganda é de inteira responsabilidade do candidato, partido político e coligação. É assegurada a participação, no horário eleitoral gratuito, do candidato cujo pedido de registro esteja sendo questionado judicialmente (sub judice) ou que tenha sido protocolado no prazo legal, ainda que não apreciado pelo juiz eleitoral. Não são admitidos cortes instantâneos ou qualquer tipo de censura prévia nos programas eleitorais gratuitos.

Nos termos da Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.457/2015, a propaganda para os candidatos a prefeito será veiculada, de segunda a sábado, da seguinte maneira: em dois blocos de 10 minutos cada – de 7h às 7h10 e de 12h às 12h10 nas emissoras de rádio; e de 13h às 13h10 e 20h30 às 20h40 na TV. Já as inserções serão veiculadas em tempos de 30 e 60 segundos para prefeito e vereador, todos os dias da semana, em um total de 70 minutos diários, distribuídos ao longo da programação, das 5h à meia-noite.

O tempo da propaganda eleitoral gratuita é dividido entre os cargos, sendo 60% para prefeito e 40% para vereador. O horário da propaganda deverá sempre considerar o horário oficial de Brasília (DF).  O cálculo do tempo a que cada candidato tem direito é feito pelo juiz eleitoral de cada município, que, em conjunto com os partidos e representantes das emissoras de rádio e de televisão, elabora um plano de mídia para garantir a participação de todos nos horários de maior e menor audiência. Para a divisão do tempo, é observado o seguinte critério: 90% são distribuídos proporcionalmente ao número de representantes que o partido tenha na Câmara dos Deputados no dia 15 de agosto de 2016; os outros 10% devem ser distribuídos igualitariamente.

A lei proíbe a veiculação de propaganda que possa degradar ou ridicularizar candidatos. O partido político ou a coligação que cometa a infração está sujeito à perda do direito à veiculação de propaganda no horário eleitoral gratuito do dia seguinte ao da decisão judicial que reconhecer o ilícito. A requerimento do partido político, da coligação ou do candidato, a Justiça Eleitoral poderá impedir a reapresentação de propaganda eleitoral gratuita ofensiva à honra de candidato, à moral e aos bons costumes.

VP/LC

TSE

Assessoria de Comunicação

Share Button

Lula ao Tijolaço: Gilmar pôs o dedo na ferida

lula

Entrevistado pelo jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, o ex-presidente Lula disse nesta quinta-feira (25) que o ministro Gilmar Mendes “tocou o dedo na ferida” ao criticar os investigadores da Lava Jato e ao Ministério Público, nos últimos dias, em decorrência do vazamento de conteúdo da delação premiada de Léo Pinheiro, da OAS, à revista Veja.

“Há dois anos, numa cerimônia em homenagem ao Márcio Thomas Bastos no Ministério da Justiça eu já protestava contra estes métodos. Quando Moro definiu [ele se refere às entrevistas do juiz citando a Operação Mãos Limpas, na Itália] que a imprensa ajudava no processo, ele estimulou o julgamento pela imprensa. É preciso que o juiz volte a julgar com os autos, as provas”, afirmou o ex-presidente.

Para ele, o episódio pode servir para que se abra um debate sobre isso, agora que o vazamento atinge um ministro do Supremo Tribunal Federal e gera comoção.

Lula não se verga ao conveniente e diz que é preciso que alguns juízes e membros do Ministério Público – “alguns, não todos’, ressalva – deixem de se comportar como ungidos por Deus para, a seu modo, definirem quem merece ou não ter direitos.

“Sou vítima de mentiras há muitos anos. Sei o que é isso. Não posso aceitar que uma pessoa vá para o julgamento na Justiça já condenado pelo julgamento da mídia. E nem que os indivíduos, como alguns fazem, se comportem como se eles próprios fossem as instituições”, disse.

Neste link a entrevista na íntegra.

Brasil 247

Share Button

Temer diz que impeachment é natural da democracia, juristas contestam

Agência Câmara e Tarcísio Feijó

  

O usurpador deu a declaração aos jornalistas após participar da cerimônia de recepção da tocha paralímpica no Palácio do Planalto. Questionado sobre se estava “nervoso” e “inseguro” com o julgamento final da presidenta, Temer afirmou: “Isso [impeachment] é uma coisa tão natural da democracia”.

Juristas ouvidos pelo Portal Vermelho rebateram a afirmação de Temer, que é formado em Direito e foi professor de Direito Constitucional.

Para o professor emérito da USP, Dalmo Dallari, a afirmação de Temer “é um absurdo”, porque o “impeachment é uma exceção à normalidade democrática”.

“E exatamente por ser uma exceção tem regras muito precisas estabelecidas na Constituição, que estabelece a possibilidade, mas fixa regras. É interessante chamar a atenção para um aspecto relacionado a esse tipo de argumento. Seguindo esse argumento, então nós podemos dizer que a prisão é uma coisa natural porque está prevista na Constituição. Vamos sair prendendo qualquer pessoa porque está previsto? É absurdo!”, salientou.

Dallari reforça que o impeachment tem previsão constitucional, mas “não é para utilizar arbitrariamente”.

“Exatamente porque é uma exceção à normalidade constitucional é indispensável que sejam obedecidas com rigor as exigências da Constituição. É alguma coisa que se deve usar excepcionalmente porque ainda que haja bom fundamento jurídico, acarreta prejuízos muito graves à normalidade política e social, de maneira que é uma exceção. Em hipótese alguma deve-se recorrer a isso se não houver uma fundamentação jurídica muito clara e indiscutível, o que não acontece no presente momento”, frisou o jurista.

Gilberto Bercovici, doutor em Direito do Estado e também professor da USP, destacou que apesar de previsto, o impeachment foi um mecanismo poucas vezes utilizado em todo o mundo, desde que foi criado no EUA.

“Quantos impeachments tivemos na história? Nos EUA, que foi o país que inventou o impeachment, ocorreu apenas duas vezes, um no século 19 e outro no governo Clinton, e em nenhum deles terminou com o afastamento efetivo. Na Argentina nunca teve. No México nunca teve. Na França nunca teve. Na Venezuela teve uma vez. E no caso do Collor foi, até então, o primeiro caso de impeachment no período moderno”, lembrou o professor.

E completou: “O que ele [Temer] deve achar que é normal é o problema sério do nosso sistema político e, talvez da própria Constituição. Em apenas 30 anos da promulgação da Constituição de 1988 é o segundo processo de impeachment de presidente da República. Mas isso também não é natural”.

Portal Vermelho

Share Button

Principais notícias do dia…

manchetes-dia

O Popular

Justiça diz que grupo agia há anos na Saneago.

 

Diário da Manhã

Novo round entre Caiado e Linderbergh termina em novas ameaças.

 

Estado de Minas

Auditor do TCU afirma que houve crime de responsabilidade fiscal.

 

O Estadão

Começo do julgamento para cassar Dilma tem brigas e baixaria no Senado.

 

O Globo

Dilma vem para o diálogo, afirma ex-ministro, que confirma Lula.

 

Folha de São Paulo

Em carta a deputados, Cunha irá pedir ajuda para evitar ‘injustiça’.

Share Button

Hoje na História…

hoje

1957
A URSS anuncia ter testado com sucesso um míssil balístico intercontinental de vários estágios.
1972
Começam os XX Jogos Olímpicos, em Munique.
1974
Portugal concede independência a Guiné-Bissau.
1978
Numa das mais rápidas eleições da história da Igreja, os colégio cardinalício escolhe como novo papa o cardeal Albino Luciani, que assumiu o nome de João Paulo I.
1983
O presidente Figueiredo reassume seu cargo, depois da cirurgia cardíaca a que se submeteu em Cleveland.
1991
Astrônomos da Universidade de Princeton anunciam a descoberta de um quasar a 12 bilhões de anos-luz da Terra.
1996
O ex-presidente da Coreia do Sul, general Chung Du Han, é condenado à forca.
2002
Incêndio consome parte da Reserva Biológica de Poço das Antes, em Casemiro de Abreu RJ.
2003
Marte chega a 55.758.000km da Terra, o ponto mais próximo de noisso planeta nos últimos 60.000 anos
2003
Relatório conclui que acidente com a nave Columbia foi culpa da NASA.
Share Button

Começando bem…

Share Button

Movimento contra as pesquisas falsas…

 

Gente boa do Blog essas eleições estão muito parecidas com as de 04 anos atrás, ou não?

Mais tarde falo sobre isso!

Abaixo panfleto que estão circulando nas ruas da cidade.IMG_20160825_141622

Share Button